domingo, 30 de janeiro de 2011

ONU: Chega de marketing de alimentos prejudiciais à saúde

Dica de Aurea de Andrade para o Deixa Sair - valeu, Aurea!


ONU condena marketing de alimentos prejudiciais à saúde

24 de janeiro de 2011

A Organização Mundial de Saúde (OMS) pediu a redução da exposição de crianças ao marketing de alimentos com altos teores de gordura, açúcar ou sal, que as expõem ao risco de doenças não-transmissíveis (DNT) causadas por uma alimentação pouco saudável. A publicidade televisiva é responsável por uma grande fatia do mercado de alimentos prejudiciais à saúde e, de acordo com os dados disponíveis, influencia as preferências alimentares das crianças, seus pedidos de compra e padrões de consumo.

Em maio do ano passado, a OMS aprovou um novo conjunto de recomendações sobre a comercialização de produtos alimentares e bebidas não-alcoólicas para crianças. As recomendações pedem ações nacionais e internacionais para reduzir a exposição de crianças a mensagens de marketing deste gênero. “As doenças não-transmissíveis, como doenças cardiovasculares, cânceres e diabetes, representam hoje a principal ameaça à saúde humana e ao desenvolvimento sócio-econômico”, disse o Diretor-Geral Adjunto para Doenças Não-Transmissíveis e Saúde Mental da OMS, Ala Alwan. “A implementação destas recomendações deve ser parte de esforços abrangentes para evitar dietas pouco saudáveis – um fator de risco para diversas doenças”, acrescentou.

A implementação das recomendações ajudará os países a reforçarem sua capacidade de promover e incentivar opções alimentares saudáveis para as crianças e a manutenção de um peso saudável. A má alimentação é um dos quatro fatores comuns associados às quatro principais doenças não-transmissíveis: câncer, diabetes, doenças cardiovasculares e doenças pulmonares crônicas – responsáveis por cerca de 60% das mortes no mundo, ou mais de 35 milhões de pessoas, anualmente. Mais de nove milhões de mortes são prematuras e poderiam ser prevenidas através de medidas de baixo custo, como o fim do uso do tabaco, a redução do consumo de bebidas alcoólicas e a promoção de atividades físicas e dietas saudáveis.

Para discutir estas iniciativas, este ano, em Nova York, entre os dias 19 a 20 de setembro, será realizada a primeira Reunião de Alto Nível para a Prevenção e o Controle de DNT da Assembleia Geral das Nações Unidas.

13 comentários:

  1. Nossa! Como acho importante essa notícia e nem fazia idéia de que alguma coisa estava sendo feita a respeito. É um grande começo! Gostei muito de seu post.

    ResponderExcluir
  2. Acho interessante essa iniciativa.
    Mas precisa ser acompanhada de uma proibição as empresas de fazerem comerciais (principalmente na TV), porque as crianças ficam com vontade de comer determinada coisa.
    Também e mais importante: o governo precisa reduzir impostos sobre alimentos como verduras e frutas, para que chegue mais barato ao consumidor final, já que muitas vezes sai mais barato um lanche que uma refeição saudável.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Eve, não são os impostos que oneram verduras e frutas; produtos industrializados pagam muito mais imposto e assim mesmo se tornam mais baratos, porque duram muito nas prateleiras, são consumidos em grande escala e seus ingredientes chegam nas fábricas às toneladas.

    Frutas e verduras são delicados e perecíveis. Um pé de alface dura poucos dias. Se chover muito, a horta vai embora. Se fizer sol demais, também.

    Precisamos compreender e reconhecer o que é natural para dar o devido valor a uma refeição saudável. Se consumirmos menos produtos industrializados, eles fatalmente vão diminuir sua presença nas prateleiras, não acha? Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. A problemática é a seguinte também: 99% dos alimentos propagados -segundo o instituto Brunix - são prejudiciais à saude: açúcar branco -ou seus substitutos sintéticos não mais amigáveis, gorduras hidrogenadas, vegetais bombados com agrotóxicos, bichinhos que comeram os vegetais e de quebra foram bombados com hormônios... Isso é só o começo!

    A gente vive na era do OLHO e da QUANTIDADE. Era do OLHO GRANDE: mais é melhor. MAS: de que vale uma baita alface grandona e verdosa se ela está praticamente embalsamada em agrotóxicos?

    Eu também desconfio mt dassa sra, a OMS. Desconfio de ações "universais"... Nada deve ser imposto universalmente. Nem mesmo as proibições. De universal mesmo, acho eu, que é a observação que as coisas são tópicas e específicas, poemas incomuns. Como disse o outro:

    Não tem lei, tem leis,
    Não tem vez, tem vezes,
    Não tem deus, tem deuses,
    Não tem cor, tem cores

    Puxa. Viajei!

    Abraços!!!

    http://www.cifraclub.com.br/arnaldo-antunes/inclassificaveis/

    ResponderExcluir
  6. ah: perguntinha capciosa.

    (andei vendo na tv uns comerciais mt bem feitos do greenpeace - não a pax romana, mas a pax verde, que meda.

    Sim sim, a pergunta; por que diabos o Pax Verde que defende o não desmatamento e não uso de inseticidas/ que defende os pandas -adoro os pandas, viu? - não defende o bicho homem em seu habitat radical: debaixo de sua própria pele?

    Sim: as medidas de "saúde" universais do reino do escunjuro são de se jogar antibióticos -inseticidas- dentro de nosso micro eco-sistema. De se colocar os animais raros -nosso pandas - nos manicômios de alvenaria ou nos neo manicômios químicos - tarjas pretas em geral.

    Nenhuma palavra do grinpice sobre as florestas de cabelos que caem nas quimioterapias?

    Será que eu alucinei de vez- tarja preeeetaaaa? Será que o grinpice não teve essa brilhante idéia antes?
    Ou será que o ser humano -livre - não vale nada para o sistema - porque vale muito?

    ResponderExcluir
  7. Ah, você tem razão, a OMS, a ONU e a UNESCO comem muita mosca. Mas quando acertam em alguma coisa a gente tem que elogiar, né não?

    ResponderExcluir
  8. Ah sim. Mas a gente não deve estimular o espírito de esperar a "sétima cavalaria"... Isto é: soluções de fora para dentro.

    O negócio agora -acho eu - é a consciência. A flor de lótus mesmo.

    Não é nada transcendental, eu acho. Uma flor de lótus é uma flor de lótus. Essas cousas. =)

    ResponderExcluir
  9. Mr. Brumn amei o "grinpice"!vou adotar! no mais creio que qualquer iniciativa que dê visibilidade as questões importantes, levam pelo menos a uma reflexão no mundo dos BBB(s)e HQ(s)e novelês...

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Sim: visibilidade de assuntos pertinentes via grande mídia é legal, mas acho que o debate boca à boca,a experiência das pessoas e blogs como este mais interessantes.

    ResponderExcluir
  12. Natália Freitas08/02/2011 18:59

    Acho que o problema maior da alimentação errada é que os conceitos alimentares sobre o que é saudável estão completamente distorcidos. Hoje o saudável é o light, o diet, etc. Se discute o mérito da ausência e não o mérito da presença. As únicas campanhas que geraram algum resultado até agora foram a do combate ao tabaco. Elas são objetivas e atacam os sintomas, mostram, na embalagem, o quanto você vai se ferrar se consumir . Nós não deixamos nossos filhos fumarem com 2 ou três anos mas alimentamos eles de modo a deixar sequelas tão graves quanto o cigarro.Saiu hoje um estudo que crianças que se alimentam de produtos junk foods são mais burras. Conheço uma nutricionista em SP que já fala isso a alguns anos e niguém da bola. As crianças adquiriram uma independencia alimentar que é incomprensível. Como é que um pai vai deixar que uma criança decida o que ela vai comer.Isso não tem cabimento.É necessário fazer campanhas porém não há mais tempo para nhé nhé nhem. Estamos criando uma geração de doentes e idiotas.

    ResponderExcluir
  13. Credo. Pior é que é verdade :-o

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário ou pergunta, se quiser, mas saiba que no momento é improvável eu responder, devido a mil coisas, cursos & viagens. Também vem novidade web aí. Agradeço. Abraços, Sonia

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.