quinta-feira, 19 de abril de 2012

Limpeza de fígado e vesícula: Fui à luta

domingo, 31 de julho de 2011 / post original

Dieta da maçã: Limpeza de fígado e vesícula biliar

One apple a day keeps the doctor away, diz um velho ditado, que até onde sei está muito certo: basta saber a hora de comer a maçã nossa de cada dia. No intervalo entre almoço e jantar, por exemplo, faz uma faxina e tanto no tubo digestivo. Tanto pela pectina, fibra que varre as sujeirinhas com doçura, quanto por ter propriedades microbicidas e ativar o trânsito intestinal.

No livro Healing with whole foods, o mestre Paul Pitchford afirma que se pode livrar rapidamente a vesícula biliar de pedras e sedimentos, limpando também os excessos do fígado, em apenas um dia.
Assim: desde a manhã, comer somente maçãs, pelo menos quatro ou cinco, se possível do tipo verde - embora todas elas ajudem a amaciar as pedras. Pode beber água, chá de ervas e suco de maçã orgânico. À noite, antes de dormir, amornar 2/3 de um copo de azeite de oliva extravirgem e completar com sumo fresco de limão. Beber a mistura devagar, pode ser de canudinho, e deitar imediatamente, do lado direito, com a perna direita dobrada. Pela manhã as pedras devem sair nas fezes.

Pitchford diz que milhares de cirurgias de vesícula foram evitadas com este método; recomenda que haja supervisão de um profissional de saúde experiente, não sei exatamente por que, já que os procedimentos são simples, mas também nunca fiz.

Uma variação mais suave, ainda no livro dele: de manhã, em jejum, tomar duas colheres/sopa de azeite de oliva extravirgem seguidas por duas de sumo de limão, cinco dias seguidos.

5a, 19 de abril de 2012: Depoimento pessoal sobre a limpeza

Meninas e meninos, eu fiz. Um dia inteiro de maçãs ácidas, 6 ao todo, as primeiras 3 mastigando e as últimas batidas com água, sempre com casca. Foi um dia à parte. Já vinha vegetariana desde a semana anterior, para ajudar, e comendo só maçã comecei a sentir frio e certa moleza. Mental, principalmente. Considerei que era um período de retiro; meditei, contemplei, falei pouco. A fome foi braba até a 4a maçã, já em suco, aí se acalmou. Dormi um pouquinho à tarde porque estava com muito frio. Passei a aquecer a água antes de bater as 2 últimas maçãs e foi muito bom.

Às 10 da noite me aprontei para dormir e fiz a mistura de azeite amornado com sumo de limão. Não gostei, e acho que o Pitchford não deve ter experimentado assim, porque o óleo normalmente já sobe, quente subiu muito mais: impossível misturar direito com o limão, mesmo mexendo com a colher antes de beber. Susana Ayres, quando fez, misturou tudo frio e tomou numa boa os 150ml. Pra mim ficou um saldo de limão puro no fundo da xícara que acabei engolindo, porque sou obsessiva, mas ninguém é perfeito. O resultado foi um certo enjôo; fiquei engolindo saliva pra ver se descia.

Deitei do lado direito e encolhi a perna de baixo. Depois virei de barriga para cima, que o Andreas Moritz diz que é bom. E assim, de lado e de costas, aos poucos adormeci. Sentindo que algo no fígado acontecia.

Cada um tem um jeito diferente de aplicar essa limpeza. A Hulda Clark nem menciona maçãs, mas vai fundo no sal amargo, que o Moritz também recomenda, além dos enemas. O Moritz tem um protocolo meticuloso, adotado pela Antónia Mendes, da Karma Clinic, em Lisboa. Acontece que eu queria experimentar a receita do Pitchford, que respeito e admiro porque me socorre nas dúvidas mais cruéis - e que tinha publicado aqui, portanto estava comprometida. (Sem mencionar que era bem mais simples e fácil.)

Bem. Ali pelas três da manhã rolou um tsunami no banheiro. Saiu um monte por baixo e vomitei o que não tinha descido. Cacei as pedrinhas no vaso, não achei e voltei para a cama muito decepcionada, mas dormi o sono dos justos.

Pela manhã eliminei polpa de maçã. Só. Mas depois do almoço, ó perfeição!, no fim de tudo estavam lá as pedrinhas boiando. Três ou quatro maiores, de forma irregular, +- 1cm de diâmetro, três ou quatro menores que 5mm. Tinha também uma camisolinha de verme, juro. Vai ver, não aguentou tanta maçã.

Espero mais novidades ainda hoje e estou pronta para fazer a limpeza de novo em algum momento futuro. Aos que têm o intestino mais congestionado, o protocolo do Andreas Moritz pode ajudar melhor. Está em seu livro A limpeza do fígado e da vesícula, que ganhou nova edição recentemente e é leitura fundamental para quem deseja cuidar de seu maior bem: a saúde.

(Comentários importantes no post original: http://www.soniahirsch.com/2011/07/dieta-da-maca-limpeza-de-figado-e.html .)