quinta-feira, 9 de junho de 2011

Oi Velox: Consumidores à mercê da incompetência da Oi e da complacência do governo

Detesto usar esse espaço para outra coisa que não seja promoção da saúde. Mas tenho que espernear. Volta e meia fico sem velox, banda larga da Oi via cabo, porque a Oi não se digna a cumprir o compromisso assumido quando vende o serviço e não manda o funcionário regularizar o fornecimento com a presteza que se espera hoje em dia. Tenho protocolo de reclamação desde 2a, hoje é 5a e continuo tendo que me deslocar todo dia em busca de conexão. Onde moro não há cobertura 3G. Mas tem telefone e sim, tem banda lerda, com velocidade máxima de 600kb, média de 150, quando tem. Anatel? Sim, sim, já está registrada a reclamação do não atendimento, mas "a prestadora tem 3 dias para se manifestar"... E pode até ser que pague multa, mas ninguém repõe as nossas perdas. De contato, de diálogo, de notícias, de negócios. Nem a dignidade perdida nas inúmeras instâncias das reclamações inúteis. Nem o bom humor que se evapora.

Por isso, queridos leitores, perdoem o desabafo e a falta de resposta aos comentários e emails. Eu queria responder, juro.

55 comentários:

  1. O Velox -metal- é ruim para o fígado - madeira.

    ResponderExcluir
  2. Eu te compreendo... dá uma impotência, né? Vou torcer por sua conexão. bjs

    ResponderExcluir
  3. Valeu a torcida: depois de 4 dias, voltou! :-)))

    ResponderExcluir
  4. Eu já tive toda a espécie de problemas com o velox... é praticamente causa ganha em tribunal de pequenas causas, embora eu ache que mais vale usar a vida doutras formas...

    que bom que resolveu. Mas esse negócio de internet vicia mesmo - acho que é uma ótima oportunidade viver sem ela. Claro, claro... A gente tem os trabalhos, os contatos tudo isso coisas e tais.

    =)

    ResponderExcluir
  5. Ah, vicia. Nas primeiras horas fico parecendo um cão sem dono, não consigo nem pensar direito. Depois começo a me interessar por outras coisas e no final vejo que sou plenamente capaz de me adaptar à vida desconectada *-*

    ResponderExcluir
  6. Silvia - BH14/06/2011 02:16

    Dá pra viver desconectada, mas fica-se desconectada mesmo.
    E com esta cara *-*

    Sofri por ano e meio e a Vivo, a Oi, a Tim foram imprestáveis. Por fim, o 3G da Claro com alguns meses mutio ruim foi o melhor de todos.

    ResponderExcluir
  7. Sonia me diga uma coisa sobre o manual do herói?

    Qual a da diferença entre "horário privilegiado de um meridiano e seu período do dia - porque eles não batem, né?

    Metal, por exemplo: o "horário privilegiado" é de 3 às 7 da matina - hora das tosses- mas o "período do dia" é o fim da tarde - que vá lá, é quando as febres sobem...


    Abjos =)

    ResponderExcluir
  8. Mr Brumn, com os chineses você não pode ser literal. Uma coisa é horário de pico dos meridianos. Outra coisa é período do dia. Outra é estação do ano. Mas todas estão na mesma rede funcional que inclui pulmão e intestino grosso.

    No discurso chinês tradicional o que importa é a situação por trás das palavras. Metal pode ser ouro, rocha, cristal, óleo. Capice? Beijo

    ResponderExcluir
  9. Oi Sônia! Linda e forte no Abu, adorei! Um orgulho te ver por la...
    Olha, aproveito este post para sugerir uma coisinha que percebi pelas necessidades de minha propria rotina. Eu tenho um monte de livros seus, mas são livros da minha mãe também. Quando nos separamos, deixei alguns com ela, e ai, olha o pepino: às vezes quero consultar uma coisinha, e cadê o livro? é meio chatinho. Por outras vezes, durante esse inverno, tentava descobrir alguma coisinha bem nutritiva para a noite, depois para a amanhã, e ai cheguei a uma conclusão: para esse povo de vida corrida, como a minha, falta uma compilação pratica que reuna as receitas, com algumas dicas de suas propriedades, para que serve, em que momento serve, etc. Livrinho de receita de vovo mesmo, mas à la Sonia Hirsch. Até tentei lançar mão do proprio sistema de busca do seu blog, mas não é toda hora que se encontra AQUELA dica para AQUELE probleminha ou aquele momento preciso... dai, pensei: sera que a Sonia ja lançou um livrinho destes? Uma grande compilação mesmo das receitas, digo. E, se não: ja pensou em publicar algo do tipo? Tenho a sensação que seria grande a procura...

    ResponderExcluir
  10. Oi, Fernanda, muito obrigada! Também gostei, o programa me deu uma oportunidade rara de dizer o que penso de uma forma direta.

    E sobre sua sugestão, aqui entre nós: já está sendo produzida essa compilação de todas as receitas, com alguns acréscimos e tal, mas ainda não posso dizer nada - portanto não espalha ;-) Abração!

    ResponderExcluir
  11. Sim sim Senseya! =)

    Entrei no site do provocações e li as citações das tuas falas -ainda não deu p assistir. Achei muito bacana, extremamente necessário, corajoso, bem colocado. Parabéns.

    ResponderExcluir
  12. Eu não sei se você sempre teve um discurso que falasse sobre as fases da produção da indústria da doença - alimentação envenenada > exames > médico > antibióticos - ou se é uma percepção nova tua.

    (Acho que deve ser coisa antiga, mas como eu só percebo isso claramente hoje dessa forma, só agora leio isso no mundo também...)

    O que eu acho realmente notável é você tratar de uma assunto terrível desse com simpatia. Eu não consigo. Fico bancando o radical fundamentalista xiita de extrema esquerda verde escura!

    ResponderExcluir
  13. Oi, Bruno, a dimensão política da questão alimentar sempre esteve presente. A frase "a saúde é subversiva porque não dá lucro a ninguém" é de 84 desde o primeiro livro, Prato feito, de 83, eu já chamava para essa reflexão.

    Acho que a possibilidade de falar disso de forma leve depende muito do interlocutor. Com o Jô, por exemplo, é impossível. Fui lá quando lancei o Atchiiim! e quando disse que normalmente gripe não se "pegava", não era causada por virus, ele desconsiderou, respondeu: Não, SH, vamos falar a sério. E o resto do tempo eu tive que correr atrás. Já com o Abu foi outra coisa.

    ResponderExcluir
  14. ops, faltou um "e" entre 84 e desde.

    ResponderExcluir
  15. Olá, Sonia! Ótimo, o teu sinal web foi restabelecido. Fico feliz por isso!Seja bem-vinda,novamente, ao mundo da virtualização!

    "Não há portão, nem fechadura, nem trinco que você consiga colocar na liberdade da minha mente... "

    - Virginia Woolf -

    Fabiano

    ResponderExcluir
  16. É que eu conheço teus livros do Manual do Herói para cá... E no "Manual" a coisa é mais sobre o que fazer do que sobre o "sistema" e sobre o que não fazer...

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Acabei de assistir a entrevista no Abujamra: sinceramente me comoveu.

    Porque é claro que você não coloca as respostas, mas suas impressões e convida a pessoa a tomar as rédeas de sua saúde, de sua vida.

    Eu fico pensando que o nome daquele estado de humanidade que por princípio não pode gerir - logo não é dono - de seu próprio corpo é simplesmente escravidão. E nossa condição na cultura urbana, contemporânea é de escravidão: namoramos, ouvimos Chico e Caetano e somos alienados de nossa materialidade e de nossa imaginação - de nosso corpo.

    Tomei as rédeas, Sônia =). Não me importa até onde posso chegar com isso, desde que eu chegue graças a minha criatividade.

    Aqui foi minha opinião, agora pública. Porque opinão pública é a que se publica, né? =)

    ResponderExcluir
  19. Tomar as rédeas sempre vale a pena. Obrigadíssima, beijo!

    ResponderExcluir
  20. Oi Sonia. Creio que o assunto é pertinente ao blog...

    Transcrevo abaixo texto do "Observatório da Imprensa de 14/6/11. Destaco a participação do antropólogo Alfredo Wagner Berno de Almeida.
    http://www.observatoriodaimprensa.com.br/videos/ultimo
    AMAZÔNIA LONGE DA GRANDE MÍDIA.


    "Alguém ainda lembra do polígono da violência no Pará e daquela faixa "a floresta chora" no enterro de um líder ambientalista? Amanhã o luto voltará ao noticiário com a confirmação do assassinato do trabalhador rural Obede Loyla de Souza, 31 anos, casado, pai de três crianças, em Pacajá, Pará.

    Sumiu das primeiras páginas dos jornais e das escaladas dos telejornais uma das mais dolorosas vergonhas nacionais: a matança dos que resistem ao avanço dos desmatadores, madeireiros e ruralistas sem escrúpulos. A mídia local e regional trata do assunto incidentalmente sob o ângulo policial, não está interessada em confrontar os grandes interesses políticos e econômicos e a mídia nacional, atrelada à mesma ideologia dos ruralistas, nem se abala.

    O quadro só tende a agravar-se com a construção da usina de Belo Monte, onde a pressa e o espírito do vale tudo reforçarão a blindagem dos mandantes e dos pistoleiros a seu serviço.

    A partilha do Pará em três estados com o pretexto de ocupar os vazios de poder só vai piorar um quadro já dramático. Diante da carência de recursos humanos, logo teremos bandidos com imunidades parlamentares e malfeitores transformados em autoridades.

    Com esta tragédia anunciada, o Observatório da Imprensa não pode fugir ao seu dever de alertar que estamos todos sendo empurrados para o papel de cúmplices silenciosos e involuntários, por aqueles que deveriam nos manter informados sobre o que acontece no país.

    ResponderExcluir
  21. Cara, é um descalabro, tudo... Belo Monte, Jô Soares, exames de fezes bagunçados, nossa telefonia e internet... Ando fula, cheia de tantos abusos em todas as esferas e dimensões.

    ResponderExcluir
  22. Descalabro é uma boa palavra. E ontem, no boletiam da AS-PTA, li que o Brasil já é o segundo produtor mundial de transgênicos e o primeiro em uso de pesticidas. Fiquei sinceramente perpilexa. Não tinha ideia dessa escala.

    Diz o boletim que o ministro Mercadante tem uma posição boa, bem informada, mas que as feras estão soltas.

    Por outro lado, diz lá tb que Minas Gerais está recuperando a agricultura familiar para consumo na merenda escolar. Achei o máximo.

    Mais em http://aspta.org.br, quem quiser receber o boletim escreva para .

    ResponderExcluir
  23. Existe um movimento do governo federal de estímulo da agricultura familiar - nome, aliás, lindo sobre vários aspectos, porque - poeticamente- trata do cultivo de alimentos e de famílias.

    Só não sei até onde isso é efetivo. Pode ser, mas ainda não pesquisei. Mas pesquisarei.

    A reportagem dObservatório da Imprensa me parece muitíssimo conctada com isso aqui, porque é
    o agronegócio que também vem assassinando os líderes da agricultura familiar e afins, enquanto cultiva em suas próprias terras -por exemplo - soja transgênica com bastnte agrotóxicobisines que envenena a gente aqui nas cidades e daí vem os médicos públicos ou não e o Doença-negócio com seus agrotóxicos de uso tópico, os antibióticos - em nossos corpos - crianças, homens, mulheres, idosos - e os remédios psiquiátricos para mascarar os sintomas em -repito - - crianças, homens, mulheres, idosos. E as cirurgias desnecessárias e mutildoras, repetindo - em crianças, homens, mulheres, idosos etc.

    Ou não é?

    ResponderExcluir
  24. Então, Mr Brumn: um descalabro! E um monte de pistas falsas. Porque por um lado há projetos ótimos de governo e por outro, a corrupção política, financeira, ética e moral...

    ResponderExcluir
  25. A função principal de um governo é proteger o cidadão dos desmandos dos empresários, mas neste país as coisas se inverteram.
    Ao invés de servir ao cidadão, somos nós que estamos servindo a eles, financiando suas maracutaias e bestialidades.

    ResponderExcluir
  26. Pois é sr anônimo: mas eu acho que não é só nosso governo, aqui na Dinamarca que age assim... Mas acho que é uma regra geral.

    Como diz no Tao Te King: quando tudo vai bem entre as pessoas, assim o vai porque as pessoas são naturalmente desta forma- sem governo que as obrigue. Sem sentimento de bondade nem caridade do tipo "nosso lar".

    Aquela história: quando um rei é bom o povo diz que o rei fez isso e aquilo. Mas quando o rei é excelente o povo diz: nós fizemos tudo.

    ResponderExcluir
  27. Oi, Mr Brumn, Sonia e Carol.
    Existe uma Lei Federal que dispõe sobre a alimentação escolar (11947/2009)e que garante que 30% dos recursos repassados pelo FNDE (Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação) deverão ser utilizados na quisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar. Aqui no Vale do Paraíba, estou trabalhando agora em um Programa de Desenvolvimento Rural Sustentavel, ainda está no início e estou fazendo uma triagem sobre a agricultura familiar em 39 municípios. Descobri que alguns deles já contribuem para que esse percentual seja atingido, com hortaliças, mel e polpas de frutas nativas. A maioria tem muita dificuldade e pouco incentivo real. É difícil a luta contra os grandes, o nosso trabalho é de fromiguinhas.

    ResponderExcluir
  28. Acho que está na hora das formiguinhas formarem formigueiros. Isto é: das pessoas que tem afinidades sobre estes temas se articularem politicamente de forma consistente.

    E não estou falando de partidos políticos, mas de articulação política. Acho que o partido verde - que teoricamente seria o canal a julgar pelo nome - paarece bem comprometido com o poder. Como pode o partido verde, no Brasil, com tudo isso acontecendo ficar assim, calado?

    ResponderExcluir
  29. Não sei, tenho super pé atrás com qualquer partido. O jogo de interesses é forte demais, acaba rolando muita energia atravessada (para ser bem suave...). Se há interesse, fala-se, se não, cala-se.
    Acredito também na articulação política. Os municípios onde tenho observado mais sucesso em relação à agricultura familiar são exatamente os que fazem parcerias mais 'sinceras' com associações e entidades do terceiro setor, teoricamente desvinculadas de política partidária.

    ResponderExcluir
  30. Eu me sinto mais ou menos como a Kenia, Mr Brumn. Boa semana pra todos!

    ResponderExcluir
  31. Sim: mas deve haver alguma maneira de articulação mais consistente e constante a nível nacional que não seja a de partidos políticos. Acho necessário isso. Porque fica tudo muito desarticulado. A desvantagem é que se a "polícia do pensamento" quiser achar o pessoal, fica muito mais fácil. =O

    Boa semana para todos!

    ResponderExcluir
  32. Que bacana, Kenia.
    Posta sobre isso no teu blogue, vou linkar tb.
    Bjs

    ResponderExcluir
  33. Tô procurando um jeitinho pra isso, Carol. Também estou dando uma estudada na ecologia queer, vou postar, é muito instigante!
    Beijos

    ResponderExcluir
  34. Sonia, Olá! Aqui o assunto já desviou do objeto(serviço da Oi e Cia), portanto quero fazer-lhe uma pergunta, também fora do tema: após, tantos livros publicados, qual deles você me indicaria pra compreender como iniciar uma limpeza, em meu organismo, dessas parasitoses todas, as quais ficam instaladas no nosso corpo. Pensei em "Almanaque de bichos que dá em gente grande", todavia não estou certo. Grato pela dica.Shalom. Fabiano

    ResponderExcluir
  35. Oi, Fabiano, o Almanaque de Bichos que dão em Gente (grande e pequena) tem uma boa parte online, em www.correcotia.com/vermes; o livro traz também uma série de tratamentos com ervas, raízes e alimentos de que os parasitas não gostam. É normal ter uma meia dúzia convivendo dentro da gente numa boa. O problema é quando dão sintomas, que você pode conhecer no site. Aí tem que tratar a sério, se possível a partir de exames bem feitos, raros.

    ResponderExcluir
  36. Oh, Sonia, obrigado! Grata surpresa tê-la conhecido, ainda que, virtualmente. Neste mundo, onde tudo parece subversivo!Boa Noite! Fabiano.

    ResponderExcluir
  37. Oi sonia, já trabalhei no atendimento de suporte técnico da velox e sei o que vc tá falando bem!
    Primeiro, esses protocolos é bom você anotar o ininicial(q a máquina diz) e o final, q é gerado no final da ligação...
    Quando for ligar novamentes para eles solicite encaminhamento para o atendimento especial( o nome é ag 56, o atendente vai saber) esté é um setor que trata de clientes q estão ameaçando entrar na anatel(precisa ser em horário comercial a ligação...) lá costuma ser um pouquinho mais rápido. existe n motivos para a velox ser tão ruim um deles é a terceirização do suporte via fone e o presencial...(é uma loucura aquilo lá) mais o melhor mesmo é contratar outra operadora! rs

    ResponderExcluir
  38. Boa dica, Jardineiro! Vou usar na próxima, que espero esteja distante. Aqui ainda não temos escolha de operadora. Parece que há um sistema de rádio querendo entrar. Tomara! Abração!

    ResponderExcluir
  39. Oi Sonia:

    mais um capítulo sobre minhas pesquisas e alguma pergunta, claro.

    A novidade é que acertei no que não vi: estava usando o óleo de Citronela como repelente. Daí percebia que me fazia bem, que me relaxava e tal.

    Mas agora vejo que o óleo de Citronela parece melhorar mesmo a parte ciculatória.

    Daí, minha pegunta é a seguinte; quais seriam os cinco aromas na teoria dos cinco elementos chineses?

    Um deles é o ácido, deve ter o de queimado... pq no Manual do Herói tem os cheiros sintomáticos. Seriam esses?


    Abraço!

    ResponderExcluir
  40. ...e tem os cheiros doces, os fétidos, os pútridos, cada qual com seu teor de picante, doce, ácido, amargo...

    O Manual do herói dá os cheiros que aparecem nas crises de saúde. Enquanto outros sintomas podem dar pista falsa, reconhecer o cheiro ajuda muito a diagnosticar - assim dizem os que o sabem.

    Outra sutileza é a tez, reparou? Abração!

    ResponderExcluir
  41. Passei pelo mesmo problema, a assistência técnica é pobre e eles não estão preocupados.....Troquei pela Net Virtua e estou feliz. Boa sorte.

    ResponderExcluir
  42. Viva a intuição e a internet de argila!

    ResponderExcluir
  43. Sônia, estou com o mesmo problema por aqui, no ES. Essas empresas telefônicas, depois de privatizadas, ficaram uma porcaria!

    Boa sorte pra ti

    ResponderExcluir
  44. E cadê aquele projeto de fornecer conexão através da rede elétrica, onde sobra banda? Não ouvi mais falar nisso. Seria de fato o ó do borogodó! Obrigada e boa sorte procês também! :-)

    ResponderExcluir
  45. Sônia, aproveitando que aqui virou a cozinha da casa, onde todos se reuniram, gostaria de fazer umapergunta: o que houve com o site de sua amiga, o faz bem, é facil e natural? Ja ha alguns dias que tento visitar mas parece que ele saiu do ar, ou perdeu o conteudo... Você tem alguma informação?
    Segunda pergunta: você ja experimentou esses leites de arroz e aveia orgânicos que vendem em supermercado? Eu tenho comprado porque acho bem pratico, mas a desconfiança mineira sempre me assola...
    Ah! E olha: ADOREI a noticia do novo livrinho-compilação! Assim que for lançado, vou comprar um para cada nucleo da familia!
    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  46. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  47. Começou o inverno!

    A estação da água!!! Dos rins, da bexiga, das orelhas!!! Da medula e dos miolos!!! =)

    ResponderExcluir
  48. Oi Sônia, aproveitando a pergunta da Fernanda, também gostaria de saber o que houve com a Cida do blog faz bem, é fácil e natural, conheci o blog através de vc e gostava muito de visitá-lo, pois achava a comunicação dela tão natural e espontânea...Cadê ela? Um abraço.
    Graça

    ResponderExcluir
  49. Então, Graça, também fui lá e achei que ela estava reformando o blog. Mandei um email mas ainda não tive resposta. Vamos aguardar, né? A Cida é tão querida, não acredito que abandone a rede assim. Um abraço!

    ResponderExcluir
  50. ola, meu nome é vanessa queria conversar com voce

    ResponderExcluir
  51. Sonia

    Que bom ler isto aqui!

    Eu já estava pensando que eu é que sou chata e intransigente demais. Mas estou assustada com o serviço Oi/Velox aqui em Teresópolis!

    Imagina que estou morando aqui há aproximadamente 4 meses e já fiquei sem internet em 3 dias (durante boa parte do dia), tirando outras tantas interrupções mais rápidas (20 minutos, meia hora) que acontecem.

    Quando morava em São Lourenço, cidade três vezes menor, em 13 anos anos usando internet, fiquei um dia inteiro sem conexão umas duas ou três vezes, isso levando-se em conta que aconteceu logo no começo, quando era conexão discada.

    Pois por aqui, já me informei com um dono de lan-house, é comum a cidade inteira ficar sem conexão um dia inteiro. Aí a única lan-house que tem conexão Embratel se dá muuuuito bem!

    Eu, que trabalho conectada constantemente, não me conformo com isso!

    beijo

    ResponderExcluir
  52. Ana Lucia Freire21/07/2011 12:11

    oI sÔNIA,

    Estava sem ler seu blog a séculos.

    Vai a dica.

    Da próxima vez que ligar para a Oi avise que quer a gravação da reclamação. Por lei eles são obrigados e lhe enviar a copia da gravação por email ou por cd. Peça o protocolo de solicitação da gravação também e anote todos os protocolos. Eu fiz isso a uma tempo atras. O conserto é agilizado porque cai no departamento que tem que enviar as gravações que servem como prova para ações na justiça. Funciona. bjs.

    ResponderExcluir
  53. Valeu mesmo, Ana Lucia! Obrigada, um abraço!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário ou pergunta, se quiser, mas saiba que no momento é improvável eu responder, devido a mil coisas, cursos & viagens. Também vem novidade web aí. Agradeço. Abraços, Sonia

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.