domingo, 20 de maio de 2012

Manual do herói: Atravessando eras

Nos últimos meses ando atarefada com a conversão dos meus livros antigos para o formato digital. Os fotolitos, alguns com quase 30 anos, dão lugar aos PDFs gerados por programas modernos como inDesign, e seguem para a gráfica pela web, por FTP.

Aí em cima está a arte-final original da capa do Manual do herói. Dá pra ver as marcas de recortes, os traços a lápis? Era assim que se fazia: riscando, cortando, colando. O livro foi composto num programinha chamado Carta Certa, alguém se lembra? No meu primeiro PC, como se dizia então, que tinha um HD bem grande, 40 megas! Mas não saía pronto do computador, como hoje. O texto era todo entremeado de comandos entre < >, como os de HTML, que avisavam a máquina de fotocomposição para colocar negrito ou itálico, aumentar ou reduzir o tamanho da fonte, mudar de fonte. Tudo tinha que ser calculado antes - corpo do texto, entrelinhas, espaços, exatamente como na forma mais primitiva de composição tipográfica. Não tinha WYSIWYG, what you see is what you get. O melhor amigo da gente ainda era a régua de cíceros e paicas, essencial para calcular a composição. A gente entregava o arquivo e recebia tiras de papel fotográfico com o texto. Se tivesse erro, e sempre tinha, refazia e colava a emenda por cima.

Para quem começou a vida profissional acompanhando a feitura de um jornal em máquinas de linotipia, em que cada tecla de letra selecionava uma letrinha física de chumbo que descia por uma canaleta para juntar-se às outras da palavra, já era uma evolução e tanto. 22 anos depois, às vésperas da 14a tiragem do Manual do herói, ainda me emociona trabalhar nele. Que permanece, como permanece a filosofia tradicional chinesa de 3mil anos enquanto tudo muda, mesmo na China.


13 comentários:

  1. Livro maravilhoso, talvez o mais querido dos de sua lavra. Longa vida ao Manual do Herói!

    ResponderExcluir
  2. Muito bacana essa evolução grafica confirmando a sabedoria de anos!
    Eu gosto muito desse livro, mas os meus preferidos continuam sendo Gatos e Deixa Sair! Vida longa a todos!!!!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Isabel e Érima, bom dia - e obrigada pela força.

    O Manual do herói de fato é um livro especial na minha produção e tem uma série de histórias curiosas, que um dia eu conto.

    A mais curiosa de todas é que eu estava inteiramente voltada para o social, na época, com bolsa da Ashoka e tudo, fiz o Boca feliz e o Inhame inhame pensando em educação alimentar e formação de alimentadores para cozinhas comunitárias, dava cursos e palestras nesse sentido, e estudar os chineses parecia um luxo intelectual movido a paixão. Fiz o livro por um sentimento imperioso, não podia deixar de fazer. Alguns leitores reclamaram, dizendo que era difícil de entender, que liam e se perdiam, e eu fui compreendendo que os chineses têm razão quando dizem que o mestre só aparece se você está pronto.

    Hoje o Manual do herói é adotado por muitas escolas de shiatsu e acupuntura e talvez seja mesmo meu livro mais prestigiado. Outro dia soube que em SP, numa ótima escola de acupuntura, há uma espécie de exame vestibular e o material de leitura é...? Justamente, nosso livrinho. Que é considerado uma boa introdução aos estudos de medicina tradicional chinesa. Inundação de felicidade! Vida longa à medicina e à filosofia chinesas!

    ResponderExcluir
  4. Paulo Paiva21/05/2012 11:39

    Vida longa à Sonia Hirsch

    ResponderExcluir
  5. ... E eu tenho te acompanhado por todos esses anos. Comprando seus livros, lendo seus artigos onde quer que eu os encontre e, agora, aqui na Net. Também me lembro da maneira antiga de impressão e, as suas palavras me levaram para um lugarzinho aconchegante de boas lembranças. Obrigada por todos esses anos de amizade silenciosa...
    abraço

    ResponderExcluir
  6. ...amizade silenciosa que me permite continuar a escrever, pesquisar, fazer livros, viver, e que também agradeço, todos os dias... Um abração, Graça!

    ResponderExcluir
  7. Vc então tb é do tempo do cheiro de chumbo derretido que subia da oficina para a redação? Ou, se o jornal era maior, de descer na oficina e se sentir nas caldeiras de Flash Gordon no Planeta Mongo?

    ResponderExcluir
  8. Sou, Antonio! Do tempo em que se amarrava cachorro com lingüiça e ainda punha trema...

    ResponderExcluir
  9. ...Pois é Sonia, este livro é o meu guia de cabeceira já faz muito tempo. Cuido da minha saúde com a ajuda dele. E o quadrado magico me ajuda muito nas passagens dos anos...ca estou com ele nos cálculos "não renais" rs, p/iniciar este ano 3 madeira...rs! Muito sucesso p/vc e Grata por tanta sabedoria nos passada! Feliz 2015 ocidental, rs.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Bom dia, adorei o tema e gostaria de comprar este livro, como devo proceder? Moro no interior de São Paulo (Atibaia) e não encontro nas livrarias locais. Abs, Nadja.

    ResponderExcluir