quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Ano novo, vida nova: Não ao açúcar!



Se você só puder modificar um hábito, que seja o de comer açúcar sem pensar. Pensando, tudo bem - todos nós somos um pouquinho perversos e temos certo prazer em usar o que nos sabota; sem dúvida temos o direito de nos sabotar, e é o que fazemos comendo e bebendo qualquer coisa, de qualquer jeito.

Vale a pena ler o que a Carol postou sobre isso no blog Menina do Dedo Verde. Vou logo avisando, a vida não será a mesma depois.

Feliz 2010!

45 comentários:

  1. e olha que não é nada difícil largar do açúcar refinado em sua forma isolada. complicado é deixar de consumí-lo no formato de chocolates e outras guloseimas.

    ResponderExcluir
  2. Sonia,
    Esse post é excelente!
    Me pegou aqui com a boca na botija!
    Sim!!! Ano novo, vida nova e sem açúcar, por favor e com afeto [sempre]!
    Obrigada!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  3. Isabel Monteiro08/01/2010 17:40

    Ai, acabei de comer uma barrinha de 100g de chocolate...

    ResponderExcluir
  4. sempre verifico os rotulos e qdo tem sacarose evito ao maximo, mas quanto a sucralose tambem é prejudicial?

    ResponderExcluir
  5. Salve, Sônia Hirsh! Feliz 2010!
    Estava com saudades dos posts, todos os dias venho aqui dar uma espiadinha, he he he...
    Só passei aqui para te dizer que ganhei de natal um livro bem bacana, "Lugar de médico é na cozinha", de Alberto P. Gonzalez (Ed. Alaúde). Já deu uma olhada nele? Confesso que me surpreendi, o autor segue a linha da alimentação viva. Li algumas passagens aleatoriamente (inclusive o capítulo sobre açúcares e farinhas, tudo a ver com o seu post e o da menina do dedo verde). Há muitas coisas na obra que seguem as suas dicas e,o que é bem interessante, traz várias receitas super bacanas, que não vão ao forno nem ao fogão. Os ingredientes, sua cara: algas variadas, missô, nirá, muito coco, muitos legumes, nada de farinhas e porcaritos refinados, tem até molho de salada à base de inhame, tudo bem simples de fazer. Legal, não? Bueno, era só para compartilhar mesmo. E então, será que teremos o privilégio de sua visita a Sampa em 2010? Quem sabe "aquele" workshop? BeijOM, paulocésar

    ResponderExcluir
  6. Bia, evite os rótulos!!! Se tem rótulo e é industrializado, por que não pensar em alternativas naturais?

    ResponderExcluir
  7. Oi, Paulo, feliz 2010!

    Conheço o Alberto, o livro dele e a linha do alimento vivo, que não faz a minha cabeça. Sou mais caminho do meio: comer de tudo com qualidade, sem culpa nem desconforto. Isso, claro, depois de já ter sido radical.

    Sobre workshop em SP, não espalhe, mas vou dar uma Oficina dos Cinco Sabores no Sesc Avenida Paulista dias 5 e 6 de fevereiro, 6a e sábado, das 10 às 13hs! Nos vemos lá? Abração!

    ResponderExcluir
  8. Oi Sônia, feliz 2010 e mais uma vez, muito obrigada pelo espaço.
    Lindas as marianinhas em flor, um grande beijo
    Carol

    ResponderExcluir
  9. Oi, Carol, muitas marianinhas em flor pra você em 2010 - e obrigada pela parceria! Abração!

    ResponderExcluir
  10. Salve, Sônia Hirsch! Caminho do meio sempre, claro!Eu bem que estava desconfiado sobre esse lance do workshop, viu só? Claro que irei, assim que você tiver mais detalhes escreva aqui em segredo, ok? BeijOM, pc

    ResponderExcluir
  11. Oi Sônia!

    adoro seu blog e livros! tem me ajudado bastante com divresas questões que eu nem imaginava que existissem

    acho muito legal sua idéia de compartilhar as informações



    hoje estou lhe escrevendo para te perguntar sobre um assunto muito importante para mim!

    é que eu sou um "tio-amigo" de uma criança....sou muito chegado aos pais dela... e por isso a menina é minha "sobrinha"

    é que os pais estão tendo dificuldades em relçaão a por limites na menina, que esta bastante manhosa

    eles são adeptos de alimentação e medicina natural e não querem dar uma "educação neurótica" para a menina

    o problema é que nao estamos encontrando a terminologia certa......

    qual é o nome do tipo de educação que estamos procurando?

    educação natural? ou alternativa? ou macrobiotica?

    acho que voce deve saber do que eu estou falando, ne?

    sei que voce deve receber muitos e-mails....mas por favor, elucide esta nossa dúvida!

    obrigadão!

    tenha um feliz 2010 e parabéns pelo seu trabalho



    Guilherme Estrella

    ResponderExcluir
  12. Oi Sonia
    Um 2010 maravilhoso procê.
    Há uns meses atrás perguntei o que você achava do mel de agave, se está na prateleira do "passável" ou na do "nem pensar". Chegou a uma conclusão?

    ResponderExcluir
  13. Oi, Guilherme, não sei se entendi bem, mas que diferença faz se tem um nome ou outro? O que importa são os fatos. Né não? Um abraço!

    ResponderExcluir
  14. Xi, Luciana, nem pensei no assunto... Me dá mais uns anos de prazo? :-) Abração!

    ResponderExcluir
  15. Sem açúcar, com afeto.
    Novo ano, vida nova.
    MESMO.

    ResponderExcluir
  16. anos de prazo, kkkkkkkkkkkk...
    Fique à vontade!

    ResponderExcluir
  17. Oi Sônia, sou sua fã e por meio da materna_sp, matrice, conheci seus livos e comprei alguns junto da Pérola.
    Mas que difícil é largar do açúcar!
    Eu preciso, mas nada como um docinho pra fazer a gente esquecer do que nos aflige... (http://maenatural.blogspot.com/2010/01/testemunho-de-livramento-roubo-no.html e http://maenatural.blogspot.com/2010/01/tempo-de-mudancas.html)

    Mas estou repensando toda minha vida alimentar!

    Bjos,

    Catherine da Laura (17 meses, nascida em casa com a parteira Vilma Nishi e toda a família

    relato no blog: bbzsinlove.blogspot.com)

    ResponderExcluir
  18. Oi Sonia,

    ha tempos que tento seguir um novo regime alimentar e deixar tanto os doces como os laticínios. Quanto aos doces eu até consigo ficar uns dias sem comer, mas quando chega nos laticínios tenho medo de nao consumir a quantidade suficiente de calcio e tudo o mais que tem nele. Infelizmente nao tenho tempo pra ficar preparando almocos minuciosos e acabo deslizando prum sanduichinho ou iogurte. Quais seriam minhas opcoes?

    Super beijos

    Renate

    ResponderExcluir
  19. Ah, Renate, seriam muitas! Meus livros e textos do blog estão cheios de ideias e receitas para o freguês examinar e escolher a cada dia. Por exemplo, dicas de sanduíche: http://www.soniahirsch.com/2009/06/sanduiche.html .

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  20. Fiquei com uma dúvida: melado e açúcar mascavo não têm problema?
    Abraço

    ResponderExcluir
  21. Oi, Priscilla, de onde você tirou essa dúvida? Melado e mascavo têm muito açúcar. Dependendo da situação, melhor evitar também. Um abraço!

    ResponderExcluir
  22. É que com os textos da Carol e do Denis tive a impressão de que o problema estaria no açúcar branco. Na edição da Revista dos Vegetarianos na qual a matéria de capa é sobre o açúcar tb é enfatizado o refinado.

    ResponderExcluir
  23. O refinado é mais concentrado e não tem nutriente algum; mas a questão é que, se for preciso restringir o açúcar, qualquer forma dele prejudica. Não adianta dizer que o melado tem ferro, cálcio, selênio...

    ResponderExcluir
  24. Olá à todos e um pedido de licença à Sonia, mas escrevi outra postagem sobre opções em adoçantes naturais.
    Me avisem se eu tiver esquecido de alguma.
    Abs,
    Carol
    http://caroldaemon.blogspot.com/2011/06/adocantes-naturais.html

    ResponderExcluir
  25. Carol, nossa formiguinha querida, fez um ótimo levantamento. Mas vou deixar um toque de medicina chinesa aqui: seja açúcar ou adoçante natural, a busca pelo sabor doce tem significados. 80% de tudo o que a terra produz já é naturalmente doce. Se a pessoa come arroz, ou batatas, ou massa, já está comendo doce. Por que essa doçura dos carboidratos saudáveis não satisfaz? Porque somos viciados em comer doce. Penso que é importante identificar esse desejo e pensar nele como (mau) hábito, ou compulsão induzida por alguma lombriguinha oportunista que precisa ser combatida, e reservar o doce pra comer só de vez em quando. Com muito gosto. Abração, Carol!

    ResponderExcluir
  26. Oi Sonia, pode deixar, a idéia não era estimular mais doces, é que as nossas únicas referências são em base de cana e essa dependência de uma monocultura, que não é nem nativa do Br, não é boa ambientalmente. Uma amiga que mora no Canadá escreveu pedindo outras opções e eu simplesmente nem sabia. Tive que pesquisar, pq a coitada tava usando aspartame para fazer um bolinho aqui e outro ali... É até bom que essas opções sejam mais caras, assim o povo compra menos e come tudo mais ao natural.
    Super beijo e obrigada pela dica do maple

    ResponderExcluir
  27. Aspartame ninguém merece. De nada, beijo!

    ResponderExcluir
  28. Gente, passei meses sem comer açúcar (pouco carboidrato mas nada de açucarados, nem dos naturebísticos). Fiquei bem, minha vida melhorou muito... mas ficava encucada: será que nunca mais como açúcar? Achoq ue não, creio que alguma hora dessas vou acabar comendo alguma coisa. Bem, andei fazendo uns cookies e coloquei um pouquito de açúcar mascavo. Tudo bem. Acabaram os cookies, voltei ao 'jejum de açúcar'. Tudo ótimo.
    Hoje pequei. Comi uma trufa. E vim aqui por causa dela.
    Agora que me recuperei um pouco, vou descrever um pouco do que senti: taquicardia (ainda nem passou), respiração ofegante, salivação excessiva, enjôo, confusão mental (estão entendendo o que estou escrevendo?) e um calorrrrrr, mas um calorrrr... tou suando de verdade...
    Credo. Se eu esquecer dessas sensações um dia, é possível que me aventure de novo. Por enquanto estou com náuseas... :-)

    ResponderExcluir
  29. Conheço bem essa sensação, Kenia. O paladar e o próprio corpo se acostumam ao açúcar nosso de cada dia e só quando a gente para - e volta - é que dá para perceber como o sabor é forte. No caso da trufa ainda tem a gordura toda, que muitas vezes não é de boa qualidade, mais a parafina que ajuda a armar o chocolate em volta. Também já joguei fora pela metade :-)

    ResponderExcluir
  30. Puxa, fiquei impressionadíssima, Sonia. Esses sintomas aí em cima, que considero até como sintomas de intoxicação, foram quase instantâneos. Vinte minutos após a ingestão eu já estava com o coração aos pulos e a garganta apertada. Bebi muita água o dia todo, mas ainda tive um pouco de dor de cabeça, sonolência e uns movimentos peristálticos meio estranhos.

    Nossa, que treco venenoso! Urgh!
    Beijo

    ResponderExcluir
  31. Concordo plenamente com a ideia de intoxicação. A Susana Ayres fala nisso aqui no blog, http://www.soniahirsch.com/2010/09/detox-susana-ayres-e-os-tres-niveis-de.html .

    ResponderExcluir
  32. oi Sonia, estou fazendo uma experiencia forte de largar açucar por 3 meses. estou ainda na primeira semana mas ja sinto alteracoes, suor frio e fraqueza e forte salivacao em pensar em qualquer coisa com açucar,, isso tudo é normal?
    muit obrigado

    ResponderExcluir
  33. Fabio, tudo depende da pessoa. Também não precisa ser radical, melhor ir aos poucos. Supervisão profissional pode fazer muita diferença. Um abraço!

    ResponderExcluir
  34. muito obrigado Sonia! esqueci de um detalhe bem importante, o unico açucar que estou cortando total é o refinado, mas como bastante fruta e de forma moderada carboidrato, sou magro, mas estou fazendo isso por ver tantas coisas ruins que o açucar refinado pode causar, ainda assim nao vale a pena cortar total açucar refinado??

    ResponderExcluir
  35. Fabio, eu cortei geral e radical durante quase um ano. Foi uma época incrível, me ensinou muito. No começo fiquei meio estranha mas em poucos dias já não sentia mais diferença, nem falta. Mas te digo: substituí por comida muito nutritiva, isso deve ter ajudado no processo. Aliás, eu tinha uns sintomas estranhos, pressão baixa, tremores, teto preto, que @s médic@s diagnosticavam como hipoglicemia crônica. Achava que ia ter que viver com isso até que descobri que não era bem assim e resolvi tentar outras possibilidades. E não é que melhorei? Nunca mais tive esses negócios estranhos, e olha que de vez em quando ainda me rendo a um chocolatezinho (ninguém é perfeito...).

    ResponderExcluir
  36. Kenia, brigado pelo comentario,, é impressionante como açucar é um veneno mesmo,estou tentando comer frutas doces e ta ajudando muitooo!!! meu irmao ja esta mais de 1 mes de açucar refinado e diz ter outra vida ja,, bem mais disposto, sono bem melhor, menos fome, mais auto controle, resumindo.. mais saude! que veneno esse açucar! quanto mais materias leio fico mais forte nessa luta e com certeza vale muito a pena! novamente obrigado pelo comentario

    ResponderExcluir
  37. E bota veneno nisso! Eu evitei na época frutas secas e até as frescas, comia só de vez em quando, me sentia melhor assim. Não é fácil se livrar do vício do açúcar. Eu sou ex-fumante e te garanto que tenho mais dificuldade em largar o açúcar do que tive para largar o cigarro. Acho que de certa forma, o cigarro nos parece ruim desde sempre, quem fuma tem essa consciência, sabe que está se fazendo mal. Mas o açúcar que nos é oferecido desde sempre, na mamadeira querida, pela mãe, pela avó... como achar que vai fazer mal? É preciso mais que uma mudança de cosciência para largar o açúcar, eu creio. É preciso que algo muito profundo se modifique na gente e isso não é fácil, depende de muitas coisas. De qualquer forma, te digo o mesmo que seu irmão: minha vida é outra hoje, me sinto mais calma, menos ansiosa, mais leve e alegre, penso com mais clareza, tenho menos culpa. Vai com fé que dá certo! :-)

    ResponderExcluir
  38. caramba,, mais dificil que cigarro!? jamais acreditaria se nao tivesse lido tantos estudos e materias sobre o açucar. simplesmente bizarro! o que mais me deixa revoltado é porque nao vemos revoltas fortes, ou a simples justiça de nao tentar viciar com maldades os consumidores com tanto açucar. nos U.S.A eles aumentam cada vez mais a taxa de açucar em fast food em tudo! fora os doces de mercado que cada vez perdem mais a linha! vivemos uma vida e ninguem fala muito, todos parecem fracos frente a esse veneno bizarro. vamos numa festa e somos vistos como etes com se fossemos radicais que nao comemos algo tao simples e bom como açucar! aiai, mas.. bola pra frente!!

    ResponderExcluir
  39. Fabio e Kenia, delícia de papo!

    Há um livro da Janice Keller Phelps chamado The hidden addiction em que ela fala dos muitos anos cuidando de viciados em drogas pesadas, como médica e psiquiatra, e mostra que o primeiro e mais resistente de todos os vícios é o açúcar.

    E a maioria silenciosa desfruta o quanto pode, Fabio, porque acha que a medicina tem cura para tudo. É falta de consciência, de informação, de autocrítica, de crítica às instituiçõs... porque todo mundo quer se sentir integrado, comendo e bebendo o que todo mundo come e bebe. Até eu, nas festas e almoços, como um pouco de tudo e bebo um pouco pra não me sentir diferente. E elogio as sobremesas. Depois, se foi demais, umeboshi pra dentro e alguma dieta. É assim que a gente vai levando a liberdade de escolha.

    Abraços aos dois!

    ResponderExcluir
  40. Oi Sonia, estou conhecendo o seu blog, estou encantada e assustada com tanta informação que não sabia, estou com vontade de tirar o açucar , mas como faço com o cafezinho que adoro, parece que o mascavo tb não é bom. Um grande abraço

    ResponderExcluir
  41. Oi, Cris, a pergunta é: você gostaria tanto do cafezinho se ele não fosse doce? Minha sugestão é você ir diminuindo a quantidade aos poucos e ficar no mínimo, aproveitando para diminuir o café também (dois por dia parecem ser o limite sensato). O mascavo altera muito o sabor. Se for usar adoçantes, recomendo estévia - procure uma marca honesta, como Stevita ou Stévia Só, porque outras adicionam ciclamato etc. Um abraço - e boa viagem!

    ResponderExcluir
  42. É isso, eu vou tentando me adaptar às situações também. Como boa aquariana, de qualquer forma, adoro quebrar uns protocolos e não me importo tanto de ser um E.T. nas festas que frequento. Vou a tudo, casamentos, formaturas, aniversários e vou tocando, dentro do que é possível. Fui a um churrasco de confraternização do trabalho outro dia e pela primeira vez percebi que ninguem fez piadinhas quando cheguei com minha água e meus limões. Interessante nisso tudo é perceber que mesmo aquelas pessoas que num primeiro momento tiram sarro, depois se interessam pelo que está acontecendo e acabam vindo perguntar, contar das suas coisas, é muito legal! Acho que o mais difícil é o primeiro momento mesmo, quando passa, a gente se acostuma. O paladar e o lidar, afinal, são maleáveis. Como diria aquele lindo do Chico Buarque: 'mas eu não quebro não, porque sou macio'. ;-)

    ResponderExcluir
  43. Oi. Eu estou tentando largar o açúcar, mas tenho minhas recaídas. Agora estou a 15 dias sem ele e pretendo manter.
    Gostaria de saber se aqueles que não consomem açúcar já receberam muitas críticas negativas e como lidar com elas.
    Recebo muitas críticas dos parentes pela minha alimentação (sem açúcar, sem carne, sem glúten).
    Percebi grande ligação com açúcar e tpm. Qdo o consumo, mesmo que pouco, me dá dores horríveis por uns 10 dias pelo corpo todo.

    ResponderExcluir
  44. Ah, Vanessa, quem tenta se comportar de um modo mais saudável sofre mesmo muitas críticas por parte dos que não acreditam que isso tenha algum valor. Geralmente são pessoas pouco conscientes de seu próprio corpo, incapazes de associar o que comem e bebem aos sintomas físicos e psíquicos decorrentes. A própria "ciência" muitas vezes debochou disso.

    Não desanime. Essas dores no corpo provavelmente mostram candidíase crônica, sensibilíssima ao açúcar. Que, comparado à carne e ao glúten, é o grande vilão. Um abraço!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário ou pergunta, se quiser, mas saiba que no momento é improvável eu responder, devido a mil coisas, cursos & viagens. Também vem novidade web aí. Agradeço. Abraços, Sonia

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.