terça-feira, 28 de setembro de 2010

Comer bem: Espinafre tem ácido oxálico demais

Recebi e repasso na íntegra.

Por que o espinafre faz mal à saúde
                                     Jocelen Mastrodi Salgado*

O consumo do espinafre aumenta a cada dia que passa. O famoso marinheiro Popeye, faz propaganda do alimento, dando a entender que quem come espinafre está sempre forte e pronto para superar qualquer obstáculo. O que poucos sabem, é que no mesmo país de origem do desenho (Estados Unidos), há algumas décadas atrás, a ingestão de leite batido com espinafre (o objetivo era enriquecer a bebida com ferro), causou a morte de crianças recém-nascidas. A doença ficou conhecida como doença do branco do olho azul, pois o branco dos olhos ficava dessa cor. Posteriormente, descobriu-se que a presença do espinafre no leite era a causadora da tragédia, mas na época (1951) o fato foi encoberto e o desenho do marinheiro Popeye continuou a ser exibido.

Por que devemos tomar cuidado com o espinafre


O espinafre é um dos alimentos vegetais que mais contém cálcio e ferro. Entretanto, esses dois minerais são pouquíssimo aproveitados pelo nosso corpo, já que o alto teor de ácido oxálico no vegetal inibe a absorção e a boa utilização desses minerais pelo nosso organismo. Os estudos mostram também que o ácido oxálico do espinafre pode interferir com a absorção do cálcio presente em leites e seus derivados.
 

Esse fato sugere que o espinafre em uma refeição pode reduzir a biodisponibilidade de cálcio de outras fontes que são consumidas ao mesmo tempo. Por isso, se no seu almoço você comeu uma torta de queijo com espinafre, tenha certeza que grande parte do cálcio do queijo não foi utilizada pelo seu organismo.
 

Outra grande preocupação é o possível efeito tóxico que a ingestão de grandes quantidades dos fatores antinutricionais presentes na planta pode causar nas pessoas. Com o objetivo de avaliar todos esses problemas, uma pesquisa, que resultou em uma tese de mestrado, foi desenvolvida na ESALQ/USP sob minha orientação. O estudo intitulado "Avaliação química, protéica e biodisponibilidade de cálcio nas folhas de couve-manteiga, couve-flor e espinafre" teve como objetivos verificar se determinadas plantas podiam ser utilizadas na dieta humana, sem causarem prejuízos à saúde e o bem-estar do indivíduo.

A pesquisa da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP)

 

As folhas estudadas foram adquiridas no comércio local e a folha de espinafre foi também adquirida de outros dois locais: da Fazendinha da UNIMEP e da horta do Departamento de Horticultura da ESALQ/USP. Essas folhas foram lavadas, secas em estufa e moídas. A seguir, foram acrescentadas nas dietas que foram avaliadas durante o ensaio experimental com duração de 30 dias.
 

Resultados
 

Os resultados começaram a impressionar quando verificamos os teores dos dois fatores antinutricionais investigados: ácido fítico e oxálico. A folha de espinafre apresentou valores muito altos em relação às demais. Como conseqüência desse fato, os animais alimentados com a folha de espinafre morreram na primeira semana, e portanto, não puderam ser avaliados até o final do estudo. Várias tentativas foram feitas, utilizando dietas com folhas de espinafre cozidas (acreditávamos que o calor pudesse destruir os fatores tóxicos presentes) ou folhas de espinafre provenientes de outros locais (livres de agrotóxicos que pudessem ter influência).
 

Contudo os mesmos resultados repetiram-se, ou seja, houve a morte dos animais com hemorragia, tremores e perda de peso. Os rins dos animais mortos foram retirados e analisados pela Faculdade de Odontologia de Piracicaba/UNICAMP. De acordo com o laudo apresentado pelo Departamento de Patologia, foi comprovado inchaço renal, indicando uma nefrotoxidade, edema celular e depósito de substâncias aparentemente cristalizadas nos túbulos renais, o que provoca disfunção renal.
 

De acordo com vários pesquisadores, a explicação provável estaria na presença do ácido oxálico no alimento, que além de causar um balanço negativo de cálcio e ferro, em doses superiores a 2g/Kg de peso, pode causar toxicidade nos rins. Já o ácido fítico, quando na proporção de 1% na dieta, seria o responsável pela redução do crescimento dos animais jovens. Na década de 80, estudos já atribuíam ao ácido oxálico sintomas como lesões corrosivas na boca e trato-intestinal, hemorragias e cólica renal, causados pela ingestão de plantas ricas nesta substância. De acordo com esses mesmos estudos, o espinafre que possui a relação de ácido oxálico/cálcio superior a 3, deve ser evitado. Na nossa pesquisa isso foi observado.
 

Com relação às demais folhas, couve-manteiga e couve-flor, não foi observado nenhum efeito tóxico, verificando-se que a melhor biodisponibilidade e retenção de cálcio nos ossos (73%) ocorreu nos animais que ingeriram a dieta contendo couve-manteiga.
 

Os resultados desse estudo nos levam a acreditar que o consumo de espinafre deve ser substituído por outros vegetais folhosos, já que os efeitos proporcionados pela ingestão das substâncias antinutricionais presentes na folha, podem ser prejudiciais à absorção de nutrientes importantes para nossa saúde, e essas mesmas substâncias podem causar sérios problemas tóxicos.
 

Os resultados também sugerem que além da grande presença de ácido oxálico e fítico, provavelmente a folha do espinafre contenha outras substâncias tóxicas, que supostamente levaram à óbito os animais do estudo, bem como causaram o incidente com os recém-nascidos nos Estados Unidos. Essas substâncias, ainda não identificadas, exerceriam ações tóxicas em pessoas mais sensíveis e levariam a chamada "doença do branco do olho azul". Fica claro, portanto, a necessidade de mais estudos elucidativos a respeito do assunto.
 

Finalizando, a minha dica é que todos procurem dar preferência a outros vegetais folhosos em substituição ao espinafre: a couve, brócolis, folha de mostarda, agrião, as folhas de cenoura, beterraba e couve flor e leguminosas como os feijões, ervilhas, lentilhas e soja são as melhores opções para quem quer consumir fontes alternativas de cálcio e ferro.

* Profª. Titular de Vida Saudável da ESALQ/USP/Campus Piracicaba. Autora dos livros: "Previna Doenças. Faça do Alimento o seu Medicamento" e "Pharmácia de Alimentos. Recomendações para Prevenir e Controlar Doenças", editora Madras.

39 comentários:

Haruko Artes disse...

obrigada pelo aviso bjs

Sonia Hirsch disse...

Sempre fui avessa a comer e recomendar espinafre. Nas vezes em que comi por delicadeza fiquei com a língua cortada - mas só eu, as outras pessoas não sentiam nada. Recentemente, fechando o livro Candidíase, a praga, uma amiga que estava me ajudando na revisão perguntou sobre ele e respondi que não podia recomendar espinafre a quem tem cândida, pela acidez. Tardou mas não faltou a explicação científica!

Em tempo: o espinafre americano me parece mais suave que o brasileiro, tanto na forma quanto no sabor. E ainda assim...

Cacau Gonçalves disse...

Oi, Sônia

É muito interessante quando alguém dá uma explicação para algo que sentimos sem saber porque. Tb nunca simpatizei muito com espinafre, porque sentia uma coisa estranha na boca sempre que o comia, um tipo de cica, sei lá... Não me dá uma sensação muito boa.

Quando meu filho era pequeno fui aprendendo a respeitar certas "sensações" de simpatia ou rejeição a alimentos. Entendia que de alguma forma nosso corpo era mais sábio e nos orientava em relação ao que comer. Meu filho sempre se alimentou muito bem, mas tinha (tem até hoje, com 17 anos) rejeição a: tomate, mamão e cebola (o pedaço dela, não o gosto, por isso eu ralava para o refogado). Entendia que eu devia respeitar, já que ele comia muito bem couve, brócolis, cenoura, beterraba, etc...

beijo!

Sonia Hirsch disse...

Mães sabem! Na casa da minha mãe o espinafre era cozido, picado, misturado com (pouco) molho branco e ia ao forno sobre uma fatia de pão, com uma rodela de ovo por cima. Ou, sem pão nem forno, era purê de espinafre na mesa, e não incomodava a língua e as mucosas. Estranhei muito quando os restaurantes começaram a colocar espinafre cru nas saladas.

Vanessa Maurer disse...

Eita que agora até fiquei preocupada. Ao menos uma vez por semana, coloco espinafre na sopa da bebê de 06 meses. Procuro variar sempre as folhas, mas uso constantemente o espinafre, assim como usei na alimentação da mais velha, de 04 anos.
Até o momento, não tenho notado diferenças no organismo dela (não aparente). Procuro observar bem, quando introduzo um novo tipo de alimento.
Enfim, creio que vale a informação. Vou observar mais agora.

Sabrina disse...

Olá Sonia!
Gostaria de comprar o "Almanaque de bichos que dão em gente" mas não consigo pelo site corre cotia... está esgotado?
Beijos e obrigada.
Sabrina

Sabrina disse...

Olá Sonia, já consegui!
Obrigada
:)

Isabel disse...

Oi, Sonia! Td bem? Gostei muito do texto, mas fiquei com uma pulguinha atrás da orelha: se não me falha a memória, li em algum lugar que a soja é cheinha de fatores antinutricionais. É isso mesmo ou foi equívoco meu? Abraço!

Sonia Hirsch disse...

Oi, Isabel, se não leu, leia: http://correcotia.com/soja . Tá lá tudo o que sei sobre ela.

Lu Piva disse...

Ai, mas essa coisa das folhas é mesmo complicada...

Já li que as campeãs de oxalatos são a beldroega e a salsinha. Só em terceiro lugar viria o espinafre.

O artigo glorifica a couve. Mas dizem que esta, assim como todas as folhas da mesma família, as crucíferas, contêm compostos prejudiciais ao funcionamento da tireóide (competem pelo iodo). E como é que a gente vai ficar sem couve, brócoli, couve de Bruxelas, repolho, couve flor, mostarda, acelga, rúcula e agrião?

Sonia Hirsch disse...

Oi, Lu, não vejo complicação alguma. Pode-se comer de todas, em quantidades normais, sem problemas. As crucíferas são desintoxicantes e nutritivas. Se folhas prejudicassem o funcionamento da tiroide, seríamos todos animais idiotizados. Todos os que comem folhas em abundância, claro, entre os quais me incluo.

Mas soja sim prejudica a tiróide, você sabia? Um abraço!

Daniela disse...

Sonia, minha filha mas velha sempre comeu muito bem, de tudo! Mas rejeitou duas coisas, espinafre e leite. Respeitei, tanto que ela so tomou iogurte puro. E agora fico sabendo do espinafre que é amigo do cará! Que interessante!
Uma outra coisa que queria saber, sempre tive corrimento, nos exames nao da candida mas da um tipo de bacteria tipo naoseioquela cocos. Fazer a dieta da candida vai me ajudar? Ja todos os remedios mas nao passa, as vezes passa, mas volta, a regra eh o corrimento que nao coça mas tem cor. Nao consigo entender o que acontece na minha flora vaginal... E tem mais, to amamentando uma menina de 9 meses, quase que exclusivo, devo fazer a dieta mais leve?

Bjs e grata!

Sonia Hirsch disse...

Oi, Daniela, bactéria tipo naoseioquela cocos, não conheço ;-)

Acho que se deve fazer a dieta da candidíase por mil razões, mas como saber se é o seu caso? Um abraço!

Carolina Daemon Oliveira Pereira disse...

Sonia, adoro tomar limonada suíça (batida no liquidificador com o limão inteiro com casca, água e melado), mas adicionando 2 folhas de couve por litro.
É tranquilo?

Sonia Hirsch disse...

Tranquilíssimo. Ainda mais para uma pessoa de bom-senso como você, Carol. Se sentisse pinicar na garganta, como a taioba, não ia fazer disso um hábito... Beijos!

Seigaku disse...

Só de falar em espinafre, meu rim já treme. Tem gente, é claro, que tem rim de ferro - ou de pedra, vai saber - para quem espinafre cru é refresco. Mas eu sempre sempre estranhei quando ele não era, pelo menos, cozidinho - durante um bom tempo, com manteiga.

Uma pena que para quem tem propensão a cálculos, como eu, o espinafre é vedado. Ele cresce tão rápido no quintal de um amigo meu, que dá pena tratá-lo como erva-daninha.

Obrigado, Sonia, por sempre estar trazendo informações preciosas, não somente anedóticas, sobre estes truquezinhos que fazem uma diferençona pra saúde.

Sonia Hirsch disse...

Oi, Seigaku, pra mim é uma grande oportunidade. A informação circula e traz pessoas como você, que acrescentam. Que coisa melhor?

Lu Piva disse...

Oi Sonia,
Como muuuuita folha, diariamente. Só no suco verde, de manhã, já vai uma baciada. E, mesmo fazendo "rodízio", não dá para fugir das crucíferas, né?
Estava meio cabreira com essa coisa da tiróide mas, pesquisando um pouco mais, descobri que, aparentemente, esse tipo de vegetal só é problemático para quem já tem uma deficiência de iodo. E temos de convir que é difícil brasileiro ter carência disso, com todo o nosso sal iodado... Fiquei mais tranquila.
Só não me conformo de que a beldroega e a salsinha tenham mais oxalato que o espinafre... :-(

Jussara disse...

Eu já tinha ouvido falar que o espinafre não era legal, mas não sabia exatamente o porquê. Apesar de ter assistido aos desenhos do Popeye na infância, nunca tive vontade de comer espinafre, e nunca comi pq nunca encontrei pra comprar.
Já a couve eu tb coloco no suco, como algumas pessoas aqui, mas como dei uma enjoada venho colocando salsinha e até agora não tenho sentido nada de errado :D. Prefiro colocar o salsão (que tem um gosto muito melhor e eu adoro), mas é meio difícil encontrá-lo.

angela disse...

Tenpos atrás escrevi sobre o espinafre aqui: Será que o POPEYE estava certo?. Também nunca gostei do espinafre brasileiro, mas o americano tem sabor suave, folhas lisas e pequenas. No entanto, aparentemente, no que diz respeito ao ácido oxálico, eles não têm diferença alguma... mas creio que, como tudo na vida, é só não exagerar que não há com o que se preocupar.

Sonia Hirsch disse...

De fato, temperança é tudo!

Ela disse...

Gostei muito do seu blog. Vou linká-lo ao meu para sempre estar em contato! Abraços, Ela

Sonia Hirsch disse...

Valeu, Ela! Um abraço pra você também.

Caroliny disse...

Sonia já que vc comentou, e a tal da taioba?
Fiz em casa uma ve e não deu nada, na segunda parecia que ia morrer...
Qual é a da Taioba?
Beijos

Sonia Hirsch disse...

Caroliny, pra mim a taioba não dá. Quase sempre pinica. Desisti! Bjs

Cris disse...

Prezada Sônia, essa postagem não é de hoje, mas para mim é atualíssima, pois acabei de descobri-la e tô boba! Retornei, há algumas semanas, ao crudivorismo e, na onda dos green smoothies, andei liquidificando espinafre com banana, crente crente que estava abafando...e meu cólon ficou irritado, doendo, sangrando...e eu culpando a melancia! Cheguei a desistir, dar um tempo, pois achei que meu organismo poderia estar muito intoxicado, vá saber...
Mas enfim, muito obrigada pela preciosa informação. Peço vênia para posta-la no meu blog, mantendo, claro, a autoria.
abraços da orla,

Sonia Hirsch disse...

Oi, Cris, acredito que a autora fique contente com a divulgação! Um abraço!

Mariana MT disse...

Olá Sônia...

e sobre a folha de abóbora?
Eu tenho alguns pezinhos aqui em casa, sei que é riquissima em cálcio, mas não coloco nos sucos verdes, exatamente porque ela "pinica". Existe algum contra para consumi-la crua?
Grata

Sonia Hirsch disse...

Oi, Mariana, nunca ouvi falar em comer folha de abóbora. Flor, sim.

Mariana MT disse...

Obrigada por responder, Sonia.

Estava relendo "O mínimo para se sentir o máximo" na parte da vitamina A vc menciona as folhas cozidas. Já usei algumas vezes para temperar o feijão. Mas não em sucos, crua. As flores, fiquei toda boba admirando e perdi o tempo de colher...mas da próxima elas não me escapam...

Sonia Hirsch disse...

Ah, Mariana, é porque no Mínimo fui coletando dados de várias fontes, já não me lembrava porque nunca tive a experiência. Além da flor se come o broto, que em Minas chamam cambuquira. Bom proveito!

Larissa Bery disse...

Que doideira isso, também sempre achei o espinafre meio estranho. Lembro que quando adolescente fiz uma sopa de espinafre para a minha mãe que estava com problemas cardíacos e ela passou mal. Me senti culpada e hoje mais ainda. Mas não sabia que o problema é o tal ácido oxalico, que tb é abundante no inhame. Por que será então que inhame é um santo remédio e o espinafre veneno? Tô sentindo uma aurea meio homeopatia nesse ácido oxalico...
Beijos, Larissa

Sonia Hirsch disse...

Larissa, o ácido oxálico é só ocasional no inhame e desaparece quando cozido. Um abraço!

Natália Hax disse...

Eu amo espinafre!!! Faço refogado, nas quiches, sopas, cozidos... Meu pai teve falência renal, e eu fazia pra ele, por causa de um pesquisa que vi sobre "vista cansada". Nessa pesquisa eles indicavam 200gr/dia de espinafre cozidas por idoso, para "regenerar" a perda de visão comum da idade. E agora? Nunca fiz crua porque meu pai é meio avesso a comida crua, inclusive, pra convencer pegava um pedaço bem pequeno de bacon e botava pra derreter na frigideira antiaderente, daí eu podia refogar qualquer coisa que ia... E difícil convencer uma pessoa doente, a comer melhor depois de passar uma vida inteiro comendo tudo errado! Tens alguma indicação de livro para doentes renais? Ou até alguma monografia? Abraço!

Sonia Hirsch disse...

Oi, Natália, não tenho nada sobre doentes renais, meu trabalho é mais de promoção da saúde. Mas gosto da medicina tradicional chinesa para essas abordagens. Um bom acupunturista pode orientar a alimentação do seu pai, que certamente não deveria incluir nada mais ácido. Um abraço e tudo de bom para vocês!

Anônimo disse...

interessante, mas eu tenho uma duvida, em qual quantidade ocorre o efeito negativo? Vi que diz em doses superiores a 2g/Kg de peso, ou seja se eu peso 60kg preciso comer acima de 30 kg de espinafre para que seja nocivo, é isso?

Sonia Hirsch disse...

Não sei.

Teresa disse...

Olá, e as folhas de taioba? Utilizo por se tratar de planta nativa e muito saborosa. Será que mesmo cozida é tóxica?

Sy disse...

As folhas de espinafre nos EUA são totalmente diferente das vendidas no Brasil, elas são menores (padrão) e não possuem aquele efeito 'aveludado' que existem no brasileiro. É uma diferença bem grande na textura e no paladar ao comê-lo cru.